quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Evento: Bordar, criar e compartilhar - atividades de 22 a 27/02.

BRASIL FIO A FIO – BORDAR, CRIAR E COMPARTILHAR

Uma viagem pelo bordado brasileiro, através das tradições, criação e produção de grupos de várias regiões do país.
O evento terá Exposição, Oficinas, Prosa e Bordado (bate-papo com os grupos) e Diálogos (palestras).

Curadoria: Beth Ziani
Cenografia: Anne Vidal

De 18 de fevereiro a 13 de março de 2011
Sala de Oficinas 1 e Sala de Leitura – 2º andar - Sala de Leitura – 2º
SESC Pinheiros – Rua Paes Leme 195, São Paulo


Grupo Bordadeiras de Andrequicé/ Três Marias

Mostra Integrada de Bordado
Exposição de trabalhos de 14 grupos de diferentes partes do Brasil.
Sala de Oficinas 1, 2º andar. Grátis.
De 19/02 a 13/03. Terça a sexta, das 10h30 às 21h30. Sábados, domingos e feriado, das 10h30 às 18h30.


PROGRAMAÇÃO DA SEMANA - de 22/02 a 27/02

OFICINA

Bordescrevendo Guimarães Rosa
A oficina será inspirada no universo sertanejo estimulado a partir de trechos da obra do escritor conterrâneo do grupo de bordadeiras Estrelas do Sertão(Cordisburgo/MG).
30 vagas. Inscrições 30' antes no local. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
De 22/02 a 25/02. Terça a sexta, das 10h às 12h30.

Cenários do Rosa
A oficina tem a proposta de estimular uma viagem bordada pela imaginação através do conto “Uma Estória de Amor (Festa de Manuelzão)” do livro Manuelzão e Miguilim, de Guimarães Rosa. Serão desenvolvidas técnicas de aplicação e bordado com Bordadeiras de Andrequicé/Três Marias-MG.
30 vagas. Inscrições no local 30' antes. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
22/02 a 25/02. Terça a sexta, das 14h30 às 17h.

A Cidade de São Paulo
A proposta da oficina é alinhavar um conceito da cidade de São Paulo. Os participantes irão representar o cotidiano e os elementos da realidade urbana, a partir de técnicas de aplicação de tecido e bordado. Com Grupo São Joaquim (Carapicuíba/SP).
30 vagas. Inscrições no local 30' antes. Grátis.
Sala de Oficinas, 2º andar.
26/02, 27/02. Sábado e domingo, das 10h30 às 13h e das 15h às 17h30.


PROSA E BORDADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS E BATE PAPO


Grupo Mãos de Ariadne (São Paulo)

Estrelas do Sertão (Codisburgo/MG): criado em 2003, pela Associação dos Amigos do Museu casa Guimarães Rosa, surgiu nos Encontros da Terceira Idade nas Semanas Roseanas, em Cordsiburgo/MG, cidade natal do escritor João Guimarães Rosa. Atualmente o grupo é composto por 35 componentes entre 50 a 97 anos, que se encontram duas vezes por semana. São mães, tias, avós, irmãs que aceitam o convite e se debruçam sobre mais um desafio, a trama de um fio tênue: a lembrança vivida no sertão. O grupo publicou o livro O coração do lugar – Depoimentos para Guimarães Rosa, com ilustrações em bordado.

Bordadeiras de Morro da Garça (Morro da Garça/MG): surgiu em atividades da cidade e fortaleceu-se nas Semanas Culturais da cidade. Vários painéis coletivos foram desenvolvidos, entre os quais um que representa a história do Morro da Garça e contou com a participação de aproximadamente 50 pessoas da comunidade.
Acesso livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
23/02. Quarta, às 19h30.

Bordadeiras de Andrequicé: nasceu em julho de 2004, na Semana Cultural Festa de Manuelzão,no Distrito de Andrequicé/Três Marias . A convivência com tradições culturais, a memória de personagens e paisagens da literatura do escritor Guimarães Rosa e as transformações do cerrado trazem inspiração para tecerem suas impressões artísticas sobre o fazer sertanejo e a paisagem da região, bordando com linhas coloridas imagens vividas no cotidiano.
As onze senhoras, atualmente, demonstram sua sensibilidade em telas, em linha e cor e produzem obras únicas com técnica apurada e design próprio, elaborando trabalhos representativos das artes existentes nas veias do sertão.
Acesso livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
24/02. Quinta, às 19h30.

Mãos de Ariadne (São Paulo): a lenda inspirou o grupo Mãos de Ariadne, formado em 2004 por amigas que queriam desvendar os segredos do bordado. As linhas e tramas cresceram, entrelaçaram-se e o resultado foi um grupo que hoje conta com doze integrantes, de idades e profissões diferentes. O que elas têm em comum? Todas se reúnem uma vez por mês com o objetivo de colocar seus pontos em projetos coletivos que servirão para decorar o quarto de uma criança, a cama de um casal, o berço de um recém-nascido.. Além disso, é claro, objetivam o prazer de estar juntas, arrematando os preciosos fios que ajudam a atravessar o “labirinto” do dia-a-dia.

Ponto a Ponto (São Paulo): no início de 2008, cinco mulheres de diferentes origens e atividades, reuniram-se para bordar a maternidade: um painel para presentear a "Casa de Parto Ângela" da Comunidade Monte Azul. Atualmente desenvolve o projeto Mata Atlântica e dedica-se ao projeto Bordar São Paulo em conjunto com os grupos Teia de Aranha, Laços e traços e Ariadne.

Laços e Traços (São Paulo): nasceu em 2004, é composto por 15 mulheres de uma mesma família: irmãs, cunhadas e tias que bordam como forma de enriquecer os laços afetivos.
Acesso livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Oficina 1, 2º andar
26/02. Sábado, das 18h30 às 20h30.

Bordadeiras do São Joaquim (Carapicuíba/São Paulo): constituído por doze senhoras ligadas à Associação São Joaquim. Trabalham temas relacionados ao dia a dia, como a cidade, a família, a casa. Utilizam em seus painéis técnicas de aplicação e bordado.
Grupo Maria Maria - ACTC-SP/SP (Associação de Assistência à Criança e ao Adolescente Cardíacos e aos Transplantados do Coração) tem como objetivo fortalecer as mães/acompanhantes no enfrentamento da situação-problema, por meio da criação de um espaço sócio-educativo que contribua para a valorização da cultura de sua região de origem e a ampliação de seu repertório de conhecimento.
Publicaram o livro Linhas da vida que reúne narrativas da tradição oral brasileira, contadas e ilustradas com bordados de mães/acompanhantes e adolescentes da ACTC.
Acesso livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Leitura, 2º andar.
27/02. Domingo, das 18h30 às 20h30.


DIÁLOGO E REFLEXÕES SOBRE O BORDADO NA CONTEMPORANEIDADE


Projeto Maria Maria (ACTC)

BORDAR E COMPARTILHAR - bordar em grupo constitui uma força criativa, propicia a junção do pensar e do fazer, reaviva nossa memória afetiva, provoca uma troca que ultrapassa o limite do verbal e fortalece a sensação de estarmos inseridos no mundo. Com Rioco Kayano - em 2001, participou da criação do grupo Teia de Aranha interagindo a arte do bordado com a literatura. Estimulou a criação de mais três grupos de bordado: Mãos de Ariadne(2004), Laços e Traços(2004) e Ponto a Ponto(2006).

OS USOS DO BORDADOS - seu trabalho alinhava todos os usos desse fazer manual, mostrando sua funcionalidade e aplicação no mundo contemporâneo, como forma de pertencimento, sociabilidade e resgate de identidade, como arte e até como item exclusivo. Com Cleide Floresta, bacharel em comunicação, com habilitação em jornalismo pela Universidade Metodista, com pós-graduação em jornalismo cultural pela PUC-SP e mestrado em moda, cultura e arte pelo Senac-SP. Acesso Livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
22/02. Terça, às 19h30.

NAS TRAMAS DA VIDA - reconstruindo histórias, fruto de uma experiência coletiva, o encontro entre o narrar e o bordar propiciou uma experiência integradora da alma, da voz e do gesto. Ensaiando pontos, juntando fios e cores, as mulheres da ACTC trazem para o bordado seus saberes e vão compondo um tempo em que é possível lidar com a angústia e com a espera. Com Cristina Macedo, mestre em Ciências Sociais, atua como educadora, no projeto Maria Maria da Associação de Assistência à Criança e ao Adolescente Cardíacos e aos Transplantados do Coração (ACTC).

TECENDO NOSSA HISTÓRIA - trajetória, metodologia e perspectivas, o projeto Tecendo Nossa História completou nove anos e estimula os participantes das oficinas a contarem suas histórias, olharem para a realidade em que vivem, darem uma forma para esse olhar, expressando-o no bordado. Com Valdirene Gomes, graduada em Ciências Sociais/UNESP. Criou o Projeto Tecendo Nossa História, em 2002, resultado da busca por uma forma de trabalhar com pessoas em situação de miséria econômica, abordando os problemas coletivos e ao mesmo tempo possibilitando o desenvolvimento da individualidade.
Acesso livre até o limite de vagas. Grátis.
Sala de Oficinas 1, 2º andar.
25/02. Sexta, às 19h30.

Nenhum comentário:

Postar um comentário